Sortimentos.com Turismo – Sortimentos.com Gastronomia – Sortimentos.com Moda, Beleza e Saúde


Sortimentos.com Turismo – Sortimentos.com Gastronomia – Sortimentos.com Moda, Beleza e Saúde

As consequências da enchente no início do mês de maio/24 no Rio Grande do Sul não são só catástrofe climática. É muito, também, e principalmente, uma catástrofe política do executivo de Porto Alegre e do Rio Grande do Sul, com a expressiva participação de vereadores e deputados estaduais da base do Paço e Piratini.

Leis e projetos foram aprovados e promovidos que geraram desmatamento no parque Harmonia visando o aumento de receitas municipais através de concessões, que inclusive, infringem a Lei do Silêncio e da poluição sonora. Continuando no município de Porto Alegre, temos ainda a desconsideração de alertas sobre as Casas de Bombas, diques e o sucateamento do DMAE visando a privatização. Já o estado, para atender grupos, apresentou projeto com aprovação na Assembleia que revogou mais de 480 regras ambientais. A conta chegou para os envolvidos e defensores do Estado mínimo.

A tragédia só não é maior por envolvimento significativo dos voluntários, das forças de segurança, dos brasileiros, do governo federal e empresas.

Desejamos que por incompetência Sebastião Melo e Eduardo Leite e suas bases no Paço e Piratini não sejam protagonistas da reconstrução de Porto Alegre e do Rio Grande do Sul. Não podem e não merecem. Que o eleitor lembre nas futuras eleições os nomes dos políticos e partidos que ajudaram a maximizar as consequências da cheia.