Zuenir Ventura assume a Cadeira 32 da Academia Brasileira de Letras (ABL)

Jornalista e escritor Zuenir Ventura Academia Brasileira de Letras ABL
O jornalista e escritor mineiro Zuenir Ventura tomou posse na noite de sexta-feira (06.03.15) na Cadeira 32 da Academia Brasileira de Letras (ABL), sucedendo o dramaturgo, poeta e romancista Ariano Suassuna, que morreu no dia 23 de julho de 2014. A solenidade foi no tradicional prédio da ABL, o Petit Trianon, e reuniu artistas, intelectuais e jornalistas.
No discurso de posse Zuenir Ventura fez uma relação entre a chegada dele à ABL e a de Ariano Suassuna e da emoção de se tornar um imortal. “No seu discurso de posse em 9 de agosto de 1990, Ariano revelou que, desde menino, sabia que um dia chegaria aqui como imortal, ao contrário de mim, que jamais sonhei em alcançar essa glória. Pode-se então imaginar a emoção deste filho e ajudante de um pintor de parede, em estar sendo acolhido neste templo do saber com tanta estima e consideração.”
Zuenir destacou ainda que conheceu os personagens de O Auto da Compadecida, escrito por Ariano, antes de ser apresentado ao romancista. Para Zuenir, a obra do escritor paraibano é um marco no teatro brasileiro. “Por sua excelência artística, [O Auto da] Compadecida significou uma vitória contra o preconceito social vigente de que os valores rurais representavam o atraso. Em plena era JK, naquele clima de efervescência cosmopolita que gerou a Bossa Nova, o Cinema Novo, a nova arquitetura, o Teatro de Arena, a Poesia Concreta, o distante sertão nordestino trazido por Suassuna para o Sudeste representou um marco no teatro brasileiro.”
O jornalista e escritor mineiro concluiu o discurso de posse dizendo que Ariano, embora tratasse do tema da morte em suas obras, não gostaria de morrer. “Apesar da relação amistosa que manteve com a Caetana [como o escritor chamada a morte] em sua obra, Ariano não queria morrer. Ele acreditava que a literatura era uma maneira de protestar contra a morte, uma forma precária, mas, ainda assim, poderosa de afirmar a imortalidade. ‘O homem não nasceu pra morte’, afirmava [Ariano], ‘o homem nasceu para a vida e para a imortalidade’. Exatamente como ele, sertanejo universal, Ariano Vilar Suassuna genial”.
Zuenir Ventura tem 83 anos e é casado com Mary Ventura há 51. O casal tem dois filhos, Elisa e Mauro. O imortal é bacharel e licenciado em letras neolatinas, jornalista, ex-professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), da Escola Superior de Desenho Industrial (Esdi) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).
A Cadeira 32 tem fundador o jornalista, professor e poeta Carlos de Laet e tem como patrono o poeta, professor, jornalista, diplomata e teatrólogo Araújo Porto-Alegre. Depois foi ocupada por Ramiz Galvão, Viriato Correia, Joracy Camargo, Genolino Amado e Ariano Suassuna.