Nutricionista dá oito dicas para não exagerar no chocolate da Páscoa

Chocolate - Barra de Chocolate - Ovo de Chocolate

Nutricionista dá oito dicas para não exagerar no chocolate da Páscoa

De acordo com a nutricionista Sabrina Jubett o consumo de chocolate pode elevar os níveis de serotonina e endorfina na corrente sanguínea, que são os neurotransmissores responsáveis por provocar uma sensação relaxante e de bem-estar. Por outro lado, podem causar outros efeitos nocivos. “As gorduras saturadas do leite, dos altos índices de açúcar e da gordura vegetal hidrogenada contida nos ovos de Páscoa aumentam muito o poder calórico do chocolate e podem aumentar o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares”, explica a nutricionista.

A especialista recomenda oito dicas importantes para consumir o presente de Páscoa de maneira saudável:

– Assim que ganhar os ovos, quebre-os em pedaços menores, embale-os em papel manteiga e guarde os pedaços no armário ou no freezer. Dessa forma, fica mais fácil degustá-los ao longo da semana sem exagerar na dose;

– Se você sabe que vai abusar do chocolate, corte os excessos das outras refeições. Deixe a manteiga no café da manhã de lado, não coma arroz ou batata na hora do almoço e assim por diante;

– Não abuse do álcool, das frituras e dos salgados gordurosos como as pizzas neste período, já que você estará consumindo o chocolate com mais freqüência;

– Sempre coma antes do chocolate pedaços de maçã, pêra ou laranja. Essas frutas ajudam a diminuir a absorção da gordura pelo organismo;

– Evite comer o chocolate de estômago vazio, pois a absorção de açúcares e gordura é maior em jejum. O ideal é consumi-lo depois do almoço ou no lanche da tarde. À noite seu consumo traz mais prejuízo para seu peso e sua saúde;

– Procure fazer sua atividade física com mais frequência durante essa semana. Isso acelera mais o metabolismo;

– Procure não comer chocolate todos os dias, pois esse hábito pode viciar o paladar e exigir mais e mais chocolate;

– Prefira chocolate com 60% a 70% de cacau, pois contêm menos gordura e mais polifenóis (ativos funcionais), que atuam na saúde do coração, aumentando o HDL (bom colesterol).