Fórum da Liberdade 2015 encerra debatendo liberdade de expressão

Fórum da Liberdade 2015 encerra debate liberdade expressão Crédito Felipe Gaiske
O 28º Fórum da Liberdade encerrou com um tema bastante pertinente ao atual cenário econômico e político brasileiro: liberdade de expressão. Foram chamados a debater a temática Liberdade de Expressão #NasRuasPelaLiberdade, Catalina Botero, especialista em direitos humanos e em direito internacional, e professora da Universidad Externado Law Schoool; Eduardo Bueno “Peninha”, escritor, jornalista, editor e tradutor; Marcel van Hattem, deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul; e Kim Kitaguiri, líder do Movimento Brasil Livre.
Para Catalina Botero a liberdade de expressão é a garantia das pessoas de ter sua crença e poder exercê-la sem sacrificar o outro e convertê-lo em inimigo. “Para mim o mais importante é não cair nas redes de nenhum fanatismo e buscar conviver da melhor maneira com pessoas que pensam diferente e promover discussões respeitosas e tolerantes com argumentos e não ofensas”, ponderou. Catalina lembrou ainda que as minorias têm direitos e que estes não podem ser ignorados pela maioria, além de que não se pode silenciar, sob força, toda a crítica. Ela também disse que é preciso evitar o autoritarismo e o crime organizado, pois são fontes de cerceamento à liberdade de expressão.
Peninha buscou na história do Brasil fatos para mostrar que o povo lutou muito para chegar a democracia. “Eu concordo que o Brasil é dinâmico e empreendedor, mas também é retrógrado, conservador, tem um viés reacionário e flerta muito com a ilegalidade”, apontou o escritor. Ele lembrou que as pessoas que estão atualmente no poder, lá chegaram por meios legais e que isso deve ser respeitado. “Se buscamos um rompimento, este afastamento de quem nos governa tem que se dar dentro da lei porque lutamos muito para ter democracia”, afirmou Peninha.
Marcel van Hattem afirmou que as ruas são um resultado do clima de indignação que tomou conta das pessoas após tantas notícias de corrupção e possível autoritarismo do atual governo. “O povo não quer que o governo dite a pauta das reivindicações, o povo quer ditar a pauta dos políticos, porque é o nosso dinheiro que vai para lá e sustenta tudo isto. Qualquer solução que dependa do Estado passa por Brasília e isto afasta o cidadão das decisões”, disse van Hattem.
Para ele, toda a estrutura política do Brasil está errada. Van Hattem defende um modelo em que o chefe de estado, de governo e administração sejam distintos e independentes. “O país está precisando de melhores ideias e líderes, precisamos pensar a longo prazo. Por isso, é importante que as pessoas participem da política e sejam presentes”, pediu.
Kim Kitaguiri afirmou que as manifestações devem continuar, pois refletem a preocupação do povo brasileiro com a liberdade de expressão e seu descontentamento com a maneira com que a política está sendo feita no país.