Fórum da Liberdade 2015 discute educação e meritocracia

Fórum da Liberdade 2015 Sortimentos
Educação e meritocracia foram os temas do painel de abertura na segunda-feira ( 13.04.2015) do Fórum da Liberdade 2015, que acontece no Centro de Eventos da PUCRS, em Porto Alegre / RS, e que tem como tema “Caminhos para a Liberdade”. O painel teve como objetivo analisar o cenário da educação brasileira e mostrar alternativas para melhorar a qualidade do ensino no país. Participaram deste momento Fernando Schüler, doutor em filosofia e especialista em políticas públicas; Rodrigo Galindo, CEO do Grupo Kroton Educacional, e Milton Souza, diretor das Conferências do Estoril, fórum que reúne líderes mundiais e negócios, acadêmicos e do setor público.
Souza defendeu uma visão mais ampla de meritocracia para que não sejam privilegiados apenas pessoas já favorecidas pela sua origem, mas também aqueles que contribuam para uma sociedade mais justa. “A meritocracia deveria promover a mobilidade social. O sucesso acadêmico poderá medir alguma aprendizagem, mas com certeza não toda a aprendizagem”, afirmou. Outro ponto relevante para Souza é que as escolas tenham liberdade de definir como, com quem e de que maneira querem trabalhar. Como um exemplo de modelo educacional que funciona com a lógica de mercado mas que atende também a questão social citou o holandês. “Na Holanda, a escola define o conteúdo e a linha pedagógica que vai utilizar. Os pais escolhem a escola particular que o filho vai frequentar. Ao Estado cabe financiar o aluno e dar dinheiro para as instituições de maneira que as de bairro menos favorecidos recebam mais investimentos”, explicou.
Galindo trouxe números para mostrar de que forma a meritocracia está trazendo bons resultados no ensino superior privado e o modelo adotado pelo Grupo Kroton Educacional. “O Brasil poderia investir mais em educação e deve investir mais, mas não investe pouco, investe mal”, assegurou o CEO. Para aumentar a quantidade de alunos que ingressavam no ensino superior e o concluíam, foi necessário oferecer oportunidade de formação, qualificação, treinamento e aperfeiçoamento para os profissionais que atuam na área. Remunerar adequadamente e premiar as entregas dos mesmos também se mostrou um ponto chave para o desempenho obtido pela instituição nos últimos anos. Estas ações resultaram no aumento do número de alunos, de empregos e de unidades de ensino, sempre tendo em vista a qualidade. “Mesmos com os bons resultados, isto não quer dizer que o estado deve aplicar o mesmo projeto adotado por nós. Porém, o princípio da meritocracia e os insights que tivemos na rede privada podem ajudar a melhorar a qualidade do ensino público brasileiro”, assegurou Galindo.
Coragem para inovar em políticas públicas é o caminho sugerido por Fernando Schüler para melhorar a qualidade da educação pública brasileira. “Estamos brutalmente atrasados no ensino básico e o ensino médio está estagnado. Por que seguimos investindo em um sistema que vemos que não está dando certo?”, provocou o palestrante. O ProUni foi apontado por Schüler como uma alternativa muito eficaz encontrada pelo governo para oferecer educação de qualidade para os menos favorecidos. “Os números nos mostram que há um ganho muito grande quando a universidade privada adota o programa. Isto porque este aluno precisa ter performance, ele não pode rodar e faz de tudo para manter a sua bolsa”, explicou. Segundo ele, estes dados desmistificam a explicação de que “o sujeito é pobre porque não estudou, mas não estuda porque é pobre”.
 
GOVERNADOR PARTICIPA DA ABERTURA
O governador José Ivo Sartori participou da solenidade de abertura do 28º Fórum da Liberdade. Em seu pronunciamento, Sartori destacou a contribuição do jurista e senador gaúcho Paulo Brossard, falecido no último domingo, para a democracia e as liberdades dos brasileiros. Ressaltou também que, em razão do esgotamento do sistema, que o fórum é um ambiente ideal para debater ideias e construir soluções.
“Precisamos pensar e repensar as ideias porque vivemos tempos de esgotamento econômico, social e de representatividade. Queremos vencer preconceitos que também caíram por terra. O protagonismo é da sociedade que produz, e não dos governos. Tenho dito a minha equipe que quando o Estado não puder ajudar, que não atrapalhe”, afirmou.
O evento tem por objetivo analisar questões sociais, políticas e econômicas através do amplo debate de opiniões, bem como da proposição de caminhos alternativos em direção a uma sociedade mais livre e próspera. “Assim, forjado na crença de uma nação plural e livre, o Fórum da Liberdade é uma iniciativa que fomenta a cultura e a educação em nosso país”, acrescentou o governador.
 
FÓRUM DA LIBERDADE
O Fórum da Liberdade é realizado pelo Instituto de Estudos Empresariais (IEE) desde 1988 e reúne, durante dois dias de evento, mais de 5 mil pessoas. Ao longo das 27 edições já realizadas, o Fórum reuniu mais de 70 mil participantes, 245 conferencistas, 7 chefes de Estado, 5 ganhadores do Prêmio Nobel de Economia, 113 acadêmicos e intelectuais, 16 ministros de Estado e 36 lideranças empresariais. Neste período, foram debatidos temas de cunho econômico, político e social, sempre com o intuito de apresentar à sociedade a opinião de diversas lideranças mundiais e, preponderantemente, abrindo espaço para a pluralidade de ideias. O Fórum alcançou reconhecimento e credibilidade nacional e internacional, através dos grandes conferencistas que reúne em Porto Alegre e da seriedade e dedicação colocada em cada atividade do evento.
Fórum da Liberdade 2015 no Sortimentos.com || Foto : Felipe Gaiske – Texto : Enfato