Domício Brasiliense – O Amor que Buscamos

Domício Brasiliense - O Amor que Buscamos

O Amor que Buscamos
por Domício Brasiliense*

A cada bom dia que damos e recebemos emitimos a intenção de que aconteçam coisas boas no nosso dia.
Também o nosso desejo íntimo de realização nas coisas que almejamos e a intenção de que nosso dia
tenha sorrisos.

Sorrir, potencial que todo ser humano tem, mas pouco utiliza por afirmar-se na ideia de ser um adulto sério,
com responsabilidades e atitudes condizentes com a vida em sociedade. Mas, e a nossa criança espontânea
que via com expectativa e alegria as pessoas e as coisas a sua volta, onde se perdeu e quando fez sua
despedida? Foi aí que começamos a nos tornar adultos carentes.

No lugar do sorriso e da espontaneidade, colocamos uma armadura que passou a nos isolar das pessoas
e das coisas boas da vida. Na nossa autopercepção equivocada e baixa autoestima, ficamos distantes
daquilo que mais buscamos: o amor.

Traçamos uma busca desenfreada por termos e sermos queridos pelas pessoas,
construindo em nossas vidas relações em que nos sintamos valorizados e lembrados.
Além disso, alimentamos a ideia de encontrar um parceiro que nos abrace, mande uma mensagem
de bom dia, nos convide para sair, que frequente nossa casa, enfim, que seja cúmplice nas nossas vidas.
E, na expectativa que colocamos nesse encontro, algumas vezes esquecemos-nos de nós mesmos,
da importância que precisamos dar a vida que temos hoje e a potencialidade que precisamos desenvolver
em sorrir e nos apaziguarmos com as pessoas e a vida. Lamentavelmente, depositamos nas pessoas
que encontramos aquilo que nós já deveríamos ter feito ou estar fazendo na caminhada da vida.

O amor é encontro, é expectativa e complementaridade, mas se torna efêmero quando nele depositamos
as coisas que são da caminhada que cada um de nós precisa fazer para sua própria construção. Por isto,
amor é encontro, pois a cumplicidade se dá na soma das pessoas e não numa relação em que elegemos
alguém para ser nosso salvador.

Precisamos acordar e dar um bom dia a nós mesmos, acreditando no que somos hoje e em tudo
que poderemos vir a ser, olhando para a vida com a alegria e espontaneidade de uma criança.
Necessitamos entender que o amor que procuramos começa em cada um de nós e torna-se encontro
quando conhecemos alguém que também está nessa busca.

DOMÍCIO BRASILIENSE

DOMÍCIO BRASILIENSE

Psicoterapeuta transpessoal, palestrante, autor do livro O Encontro de Eus – Um caminho…
Uma vida diferente, Domício utiliza de sua facilidade de empatia, compreensão e impulso
com o ser humano para realizar um trabalho que vem conquistando o público e os leitores.

Formado em Pedagogia pela FAPA/RS – Faculdade Porto-Alegrense de Educação Ciências
e Letras e Pós-Graduado em Psicologia Transpessoal pela Associação Luso Brasileira
de Transpessoal – ALUBRAT/RS. Há 23 anos dedica-se à área da Educação e Recursos Humanos,
sendo 15 anos como Professor e Orientador Educacional, 15 anos como Terapeuta Familiar
e como Psicoterapeuta Transpessoal com atendimentos individuais e em grupo.
Presta assessoria organizacional na área das capacidades das relações humanas em diversas
empresas e instituições.

Realiza palestras nas áreas de Filosofia, Psicologia e Sociologia da Educação; Orientação
e Carreira Profissional; Interrelações na Sociedade; Relações Interpessoais no Trabalho;
Violência nos ambientes escolares e do trabalho.